Foto: Ana Fonseca
  • DataPernambuco, 03 de Maio de 2016
  • AumentarDiminuirNormal

Porque não votei e votei em Dilma

02 de Maio de 2016 às 10:32
Homero Fonseca

 Compartilhei no meu Facebook um vídeo com edições de falas de Plínio de Arruda Sampaio, falecido candidato do PSOL a presidente em 2014 (quem lembra?), em que ele criticava a candidatura de Dilma Roussef como uma invenção de Lula.

Afirmei que nas eleições de 2010, não votei em Dilma (nem em ninguém, justifiquei a ausência) pelas razões expostas por Plínio Arruda Sampaio, embora considerasse Lula o maior estadista brasileiro desde Getúlio Vargas. Em 2014, não votei no primeiro turno, pelos mesmos motivos. Votei nela no segundo, dada a iminência da vitória do neoliberalismo. Que, infelizmente, está se construindo, dois anos depois, via golpe institucional.

Abaixo o golpe.

E que Zeus tenha misericórdia do Brasil.

Os argumentos de Plínio podem ser vistos mais detalhdamente no vídeo, neste link: https://www.facebook.com/profile.php?id=100009589092450

SANTINHA CAMPEÃO DO NORDESTE

01 de Maio de 2016 às 21:08
Homero Fonseca

 

Bolsonaro e os bem-pensantes

25 de Abril de 2016 às 16:32
Homero Fonseca

Reprodução Zoom
Bolsonaro nas passeatas perfumadas: companhia indigesta

 

 

Parece haver um certo sentimento de desconforto por parte de alguns bem-pensantes pró impeachment/golpe em relação aos seus companheiros de trincheira. Sentimento que cresceu exponencialmente após o espetáculo da votação do dia 17 na Câmara dos Deputados.

“Que más companhias!”, descobriram eles ao assistir à proclamação de voto das bancadas da bíblia, do boi e da bala. Que gente mais brega, mais botocuda! Incapaz de juntar lé com cré, sem argumentos, repetindo o bordão deus, pátria e família (com direito a nominar cônjuges, filhos, netos, sogras, cães, gatos e papagaios). Sem falar na quantidade enorme de sujos (corruptos) falando de mal lavados (petistas), cujo exemplo mais emblemático foi o da deputada Raquel Muniz (PSD/MG), berrando “SIM, SIM, SIM”, logo ela, envolvida em trapaças com o marido, prefeito de Montes Claros, preso no dia seguinte por corrupção. E todo dia aparece um novo exemplo. Oh, vexame, oh paìsinho atrasado, oh vontade de mudar para a Suíça!

“O que fazer?”, indagaram-se os bem-pensantes (alguns ex-admiradores de Lênin). E pensaram em aliviar a má consciência e, ao mesmo tempo, descolarem-se da direita mais hidrófoba ao lado da qual haviam marchado despreocupados na Avenida Paulista, escolhendo o notório deputado Jair Bolsonaro como bode expiatório. E então passaram a pedir, em uníssono, a cassação do lastimável parlamentar pela sua radical profissão de fé, com direito a elogiar o falecido coronel Brilhante Ustra, que brilha em toda lista de torturadores do também falecido regime militar (cujo fantasma entretanto anda por aí assombrando o Brasil). Cassem o mandato do pústula, cacem o hereje!

Mas aí, salvo engano, reside uma contradição. Lembram o adágio atribuído a Voltaire (não concordo com uma só palavra...)? Esse, me parece, é o cerne da democracia. Bolsonaro é abominável, mas tem direito de manifestar suas ideias, por mais execráveis que sejam. A isso chama-se direito de expressão do pensamento. Podemos não concordar em uma só palavra do que ele arrota, mas seu direito de arrotá-las é inalienável. Esse é o paradoxo da democracia: permitir que falem contra ela, à direita ou à esquerda. Agora, no momento em que Bolsonaro ou qualquer outro atente, por ações, contra a democracia, processo e cadeia nele! Mas condená-lo e cassá-lo por palavras é antidemocrático, mesmo palavras abjetas como “Ustra, o pavor de Dilma”.

Sei que a turma mais emocional da esquerda também não ficará contente com essa minha posição. Penso, porém, que se Bolsonaro sai de público elogiando um condenado por tortura, cabe a todos nós denunciar de quem se trata e repudiar semelhante homenagem. Não prendendo e arrebentando quem pensa diferente de nós, por mais equivocado e indefensável que seja seu pensamento.

A batalha atual, camaradas, é no campo das ideias, de mobilização das consciências. Se alguém discorda e se dispõe a argumentar, acatarei de bom grado. Se me convencer de que estou errado, reverei minha posição.

Não vale xingamento ou mera repetição de slogans.

 

 

 

O exército do golpe: feios, sujos e malvados

22 de Abril de 2016 às 12:32
Homero Fonseca

Antônio Augusto/Câmara dos Deputados Zoom
Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do ex-deputado Roberto Jefferson: bela, recatada e do lar, mas quem ela representa?

 

Muita gente xingando o baixo nível de nossa representação parlamentar, escancarado na sessão do dia 17 que aprovou o andamento do impedimento da presidente da República.

Até mesmo os neoliberais de vários matizes (incluindo ex-esquerdistas arrependidos) que defenderam o golpe ficaram roxos de vergonha pela performance de seus companheiros de trincheiras.

Penso serem a mediocridade e a falta de compostura parlamentar um problema menor. São apenas o sintoma do X da questão.

A doença é o próprio sistema político-eleitoral, cuja arquitetura pavimentou o acesso quase exclusivo a quem tem dinheiro para bancar uma campanha eleitoral, instituindo formas de financiamento que praticamente excluem qualquer um que não seja representante da plutocracia ou por ela financiado.

Inclusive está aí a raiz da corrupção sistêmica, não nos malfeitos de um partido que apenas - e lamentavelmente - tratou de dançar no ritmo da valsa.

Com as devidas exceções, quem se elege pelo poder econômico tem o único compromisso de manter o status quo e logo aprende que a política é o melhor mercado para suas tenebrosas transações. O fato de a maioria dessa gente ser feia, suja e malvada é só a casca. Para se chegar ao miolo, queridos camarados, o buraco é mais embaixo.

E como os neoconservadores esclarecidos embarcaram no golpe (apesar de horrorizados com seus atores) e as esquerdas costumam habitar na retórica desconectada da realidade da gente comum, tudo indica que viveremos uns tempos de retrocessos, no  movimento pendular da História.

Que cada um lute com suas armas por suas posições.Não adianta chorar o leite derramado.

O IMPEACHMENT NÃO É CONTRA DILMA, É CONTRA ESTA SENHORA DA FOTO.

14 de Abril de 2016 às 21:50
Homero Fonseca

 

Últimas Atualizações

Últimos Clips

AchaNotícias

Pernambucânia

Descubra o que há no nome das cidades pernambucanas

Iteia

O Nome da Minha Cidade

Colabore! Mande-nos o que sabe sobre o nome de sua cidade, origens e significado.









Ver mensagens enviadas

Indique

Indique o blog para um amigo





Tags

pedro juan - ofício de escritor steve jobs design jonatah mak cléitson feitosa - exposição - grupo evolução, caruaru - democracia corintiana sócrates mino carta menos luíza - ascenso ferreira - comunicação - celebridades dois pesos, duas medidas flávio brayner - educação - libertação - crônicas america latina - marcus accioly sarau plural joca souza leão corrupção barão de itararé eliana calmon escravidão - guerra dos mundos orso welles maranhão quito - ue encorpo manifestações corrupção confronto de ideias mídia luiz ruffato literatura proletários olinda - nome de cidade - lenda de iangai - lula cardoso aires - história - tiponímia sarau paixões sidney rocha anaïs nin raymond radiguet stefan zweig índice nático fernando pessoa - josé paulo cavalcanti filho - poesia portuguesa - sarau plural evangélicos periferia amapá rio amazonas macapá linha do equador floresta amazônica roliúde - amor - joseph ratinger romance twitter lula falcão sarau plural 21 crônica: a poética do cotidiano - joca souza leão flimar literatura marechal deodoro lêdo ivo bienal, centro de convenções, escritor, homenagem, mauro mota, poeta zé de arruda - filosofia - chistes e tiradas - jovem recém-casada parcialidade roliúde teatro jazz adorno hobsbawn brubeck nélson de oliveira - leis da integridade criativa cinema homem de moral paulo vanzolini lampião cordel sarau papa-figo humor bione literatura fantástica charge política boato pânico recife tapacurá cheias josué de castro josé lins do rego mangue caranguejo chico science geneton moraes neto - geraldeo vandré - calúnia na internet amazônia amapá macapá - contestado frança brasil - república do cunani - história rio amazonas amapá macapá cidades viagem equador marco zero pirarucu jambu

Arquivo