Foto: Ana Fonseca
teste topo

Viagem ao Meio do Mundo

20 de Maio de 2011 às 17:47 em
por Homero Fonseca

Foto: Paulo Tarso Barros Zoom
Não resisti e posei meio ridicularmente diante da imensidão do riomar

Após sobrevoar o arquipélago de Marajó, o avião cruza a linha
do Equador e aterrissa em Macapá, única cidade brasileira de importância
cortada pelo traçado imaginário que divide em dois o Planeta Terra.

A cidade, de 400 mil habitantes, é urbanisticamente
planejada, com largas avenidas cruzando ruas retas, todas em péssimo estado de
conservação, motivo de chiadeira geral contra a Prefeitura. Está à margem do
rio Amazonas, perto de sua foz, o que torna o cenário deslumbrante. É toda
horizontal (vi apenas um edifício residencial de uns 10 andares, outro em
construção; o resto tem apenas um, no máximo dois andares superiores). É
pequena, porém decente. Não há muito sinal de riqueza, exceto por carrões
reluzentes circulando pra lá e pra cá, nem de miséria extrema, tipo favela,
mendigos etc. Há comércio informal nas ruas, razoavelmente discreto. A orla é
linda e bem conservada, com calçadões, parques, jardins, bares, lojas de
artesanato, píeres e cais onde atracam as embarcações típicas do Amazonas: gaiolas,
catraias, voadeiras e barcos turísticos. Ao largo, fundeados à espera de
atracação no porto de Santana, um pouco abaixo, uma dúzia de grandes cargueiros
em busca do manganês da Serra do Navio. O Forte de São José, construção do
século 18, é esplêndido e bem conservado.

Há museus de história local, de assuntos indígenas e
afro-brasileiros. No povo nas ruas, não vejo predominância de traços indígenas,
como esperava, mas a miscigenação da maioria da população brasileira.

Estou aqui em pesquisa, não há tempo para muita curtição
turística, mas o escritor Paulo Tarso Barros me ciceroneia por alguns locais
“obrigatórios”: o Marco Zero do Equador, que lembra estarmos “no meio do
mundo”; o sambódromo à imagem e semelhança da Marquês do Sapucaí no Rio; o
estádio Zerão, cuja divisa de meio campo coincide com a linha equatorial (está
em reforma; nas partidas de futebol, os locutores ressaltam estar tal time no
hemisfério norte e o outro, no hemisfério sul); o Mercado de Artesanato.

Fico num simpático Hotel do Forte, bem na orla, diante da
imensidão do Amazonas que, no horizonte, parece despencar nos confins do mundo.
Da janela do meu quarto, no 1º andar, vejo a silhueta das ilhas do Marajó. Vou
ao acanhado Mercado Central, desisto de almoçar lá, termino, num restaurante
perto, comendo um soberbo pirarucu grelhado com 
jambu, a erva que se usa nas receitas do tacacá e que anestesia a boca.

O Amapá tem uma área de 142.814,6
km2. Um relevo onde
predominam planície com mangues e lagos no litoral e depressão na
maior parte, interrompida por planaltos residuais, tudo coberto por uma vegetação que vai dos mangues
litorâneos ao cerrado, os chamados campos gerais, à Floresta Amazônica., que,
descobrirei, não é só uma.

Segundo leio na Wikipedia, origem do nome do estado é
controversa. Na língua tupi, o nome amapá significaria 'o lugar
da chuva' :ama (chuva) e paba(lugar, estância, morada). Segundo a
tradição, porém, o nome teria vindo do nheengatu
- língua geral
da Amazônia, uma espécie de dialeto tupi jesuítico
- significando "terra que acaba" ou "ilha". Segundo outros,
a palavra amapá é de origem  aruaque e
identificaria uma árvore da família das Apocináceas.
(Esta é a versão minha favorita, vejam porque:)  A árvore produz um fruto saboroso, em formato
de maçã, de cor roxa, que é parte da farmacopeia
amazônica. Da casca do tronco dessa árvore, o Amapá (Hancornia amapa),
típica da região e cujo desenho está no brasão do Estado, é extraído o látex
(chamado leite de amapá) usado na medicina
popular como fortificante, estimulante do apetite e também no
tratamento de doenças respiratórias e gastrite. Popularmente conhecida como
"amapazeiro", a espécie encontra-se ameaçada, dada a sua exploração
predatória para extração da seiva.

Preparo-me para uma viagem pelo interior a dentro do Amapá.
Mas aí será outra história.

Últimas Atualizações

Últimos Clips

AchaNotícias

Pernambucânia

Descubra o que há no nome das cidades pernambucanas

Iteia

O Nome da Minha Cidade

Colabore! Mande-nos o que sabe sobre o nome de sua cidade, origens e significado.









Ver mensagens enviadas

Indique

Indique o blog para um amigo





Tags

josué de castro josé lins do rego mangue caranguejo chico science pedro juan - ofício de escritor sarau plural joca souza leão sarau papa-figo humor bione steve jobs design jonatah mak america latina - marcus accioly cinema homem de moral paulo vanzolini sarau plural 21 crônica: a poética do cotidiano - joca souza leão menos luíza - ascenso ferreira - comunicação - celebridades democracia corintiana sócrates mino carta zé de arruda - filosofia - chistes e tiradas - jovem recém-casada cléitson feitosa - exposição - grupo evolução, caruaru - flávio brayner - educação - libertação - crônicas olinda - nome de cidade - lenda de iangai - lula cardoso aires - história - tiponímia roliúde - amor - joseph ratinger corrupção barão de itararé eliana calmon escravidão boato pânico recife tapacurá cheias rio amazonas amapá macapá cidades viagem equador marco zero pirarucu jambu geneton moraes neto - geraldeo vandré - calúnia na internet lampião cordel índice nático bienal, centro de convenções, escritor, homenagem, mauro mota, poeta fernando pessoa - josé paulo cavalcanti filho - poesia portuguesa - sarau plural roliúde teatro amapá rio amazonas macapá linha do equador floresta amazônica romance twitter lula falcão literatura fantástica evangélicos periferia nélson de oliveira - leis da integridade criativa luiz ruffato literatura proletários jazz adorno hobsbawn brubeck - guerra dos mundos orso welles maranhão quito - sarau paixões sidney rocha anaïs nin raymond radiguet stefan zweig amazônia amapá macapá - contestado frança brasil - república do cunani - história flimar literatura marechal deodoro lêdo ivo

Arquivo